Bitcoin Gold, bitcoin, btc, btg, altcoin, fork

Bitcoin Gold – Saiba o que é e como essa moeda funciona

14 de dezembro de 2017 Escrito por Altcoins, Bitcoin, Blockchain 0 comentarios em “Bitcoin Gold – Saiba o que é e como essa moeda funciona”
Conheça o Quantum!

Uma nova criptomoeda chamada Bitcoin Gold passou a existir na internet e no mercado mundial. A ideia principal dela é corrigir o que os seus investidores acreditam ser falhas de graves no Bitcoin original.

Existem centenas de criptomoedas na internet. Muitas delas são derivadas do Bitcoin de uma forma ou de outra. Mas o Bitcoin Gold – assim como o Bitcoin Cash (outra fork do Bitcoin) – é diferente de duas maneiras.

O Bitcoin Gold se vende como uma versão do Bitcoin, ao invés de uma plataforma derivada do mesmo código de programação. O Bitcoin Gold também decidiu manter o histórico de transações do Bitcoin. Isso quer dizer que quem tinha Bitcoins antes da bifurcação, agora possui a mesma quantidade de Bitcoin Gold.

Enquanto o Bitcoin Cash foi desenhado para resolver o problema de capacidade do Bitcoin usando blocos de informação maiores, o Bitcoin Gold tenta resolver outro problema persistente da moeda tradicional: O aumento da centralização da indústria de mineração e verificação das transações da criptomoeda.

A ideia original para o Bitcoin era que qualquer um pudesse participar do processo de mineração com seus computadores, ajudando a rede a se manter enquanto ganha alguma compensação por isso. Porém, com a rápida valorização do Bitcoin, algumas empresas perceberam que era possível lucrar bastante com a mineração a partir de hardware especialmente desenvolvido para esta atividade (Conhecidos como chips ASICs).

Desta maneira, a mineração de Bitcoin passou a ser uma indústria altamente especializada e centralizada. As empresas líderes em mineração possuem um poder desproporcional na rede de Bitcoins.

O Bitcoin Gold tem como principal objetivo destronar estas empresas de mineração com a introdução de um algoritmo de mineração alternativo menos otimizado para os chips ASIC. Em teoria, esta mudança vai permitir que mineradores de Bitcoin Gold possam minerar em ambiente doméstico ganhando dinheiro com isso, como era no começo do Bitcoin tradicional.

Como o Bitcoin se tornou centralizado

No centro da rede Bitcoin está a Blockchain, um “livro registro” que armazena todas as informações sobre as transações em Bitcoins. Em média, a cada 10 minutos um computador ligado à rede peer-to-peer adiciona um bloco ao fim da Blockchain e recebe uma recompensa de 12.5 Bitcoins por isso.

As maquinas mineradoras correm contra o tempo para ter o privilégio de acrescentar um bloco na Blockchain. A corrida consiste na resolução de um problema matemático. O minerador pega uma lista de transações e acrescenta uma nonce (uma série de caracteres aleatórios que só podem ser usados uma vez) no final da lista de transação. O minerador então computa uma função hash SHA-256 no final de todo o cálculo.

A função hash é desenhada para produzir uma linha de bits aleatórios que representa a data que ela foi criada. O minerador “ganha” se estes bits randômicos começarem com um certo número de zeros. Na maioria das vezes isso não acontece, então o minerador escolhe outro nonce e repete o calculo até que um bloco vencedor aparece.

Um minerador que descobre um bloco vencedor anuncia a descoberta para o resto da rede. Todo mundo ligado ao sistema confirma que o bloco é real e que está dentro das regras do Bitcoin e o adiciona à sua cópia da Blockchain, então a corrida começa novamente.

O motivo de tanta complicação é criar a possibilidade da rede se manter sem uma autoridade central que precisa contar votos. Se dois blocos são anunciados ao mesmo tempo, produzindo assim uma confusão sobre qual bloco é “oficial”, a disputa é esclarecida com outro round da “corrida”. O minerador que ganhar decide qual bloco deve ser considerado oficial.

Na pratica, isso tudo quer dizer que cada ponto de ligação (computador) ligado à rede tem influência proporcional à sua capacidade de computação. No começo do Bitcoin, isso trouxe um aspecto democrático para mineração, afinal, todo mundo tinha um pouco de processamento computacional sobrando em suas máquinas domésticas. Existiam pouquíssimos mineradores profissionais com hardware dedicado, afinal não valia a pena investir tanto em hardware para competir com milhares de pessoas usando computadores comuns.

Porém, isso mudou quando as pessoas começaram a construir máquinas de mineração ASIC. Estes chips são tão mais eficientes em computar hashes SHA-256, que em pouco tempo os mineradores com PCs comuns não conseguiam mais produzir Bitcoins o suficiente para pagar a conta de luz.

Foi então que a mineração de Bitcoin se tornou uma atividade centralizada e apenas com o uso das ASIC, principalmente em países com baixo custo de energia elétrica. (Como é na China).

Bitcoin Gold tem a esperança de fazer a mineração ser democrática mais uma vez

A estratégia de dar mais influência para quem tem mais poder de calculo computacional é conhecida como “proof-of-work” (Prova de Trabalho, em tradução livre). Quanto mais você trabalha -Neste caso, quanto mais cálculo de hashes SHA-265 forem feitos – mais chance você tem de acrescentar um bloco ao final da Blockchain.

O Bitcoin Gold é idêntico ao tradicional na maioria das coisas, mas ele usa um algoritmo alternativo de proof-of-work. O algoritmo, chamado de Equihash, não tem processo acelerado em hardwares customizados para mineração. O Equihash foi adotado também pelo Zcash por causa dessa característica.

A ideia principal por trás do Equihash está no algoritmo que depende mais da memoria da máquina do que processamento. Aqui temos um resumo simplificado de como o Equihash funciona:

  • O Equihash funciona com uma lista de linhas pseudorrandômicas derivadas do bloco que o minerador quer acrescentar a Blockchain.
  • O minerador tenta encontrar um número de N linhas (a partir das linhas geradas no primeiro passo) que faz uma conexão XOR para zero.
  • As linhas encontradas no segundo passo são unidas e passam pelo cálculo através do Hash (assim como no Bitcoin original). A ideia do cálculo é encontrar um valor abaixo de um valor pré-definido.

O segundo passo é o mais difícil do processo. O primeiro e o terceiro são relativamente triviais. O algoritmo mais eficaz para realizar o segundo passo exige bastante memória. Tentar resolver o cálculo com memória abaixo do recomendado resulta em um calculo bem lento. Em um exemplo mostrando no jornal oficial do Equihash, resolver um problema com 700Mb de memória levou cerca de 15 segundos. Resolver o problema com 250Mb levou cerca de mil vezes o tempo do primeiro teste.

Segundo os criadores do Equihash, uso da memória no lugar da capacidade de processamento é importante por não ser possível otimizar a memória de um processador da mesma maneira que é possível fazer com a capacidade de cálculo. Os Hardwares de mineração são tão rápidos porque os processadores especializados em SHA-256 podem computar muito mais hashes por segundo do que uma CPU convencional, mesmo se a CPU tiver o mesmo número de transistores. Mas, 1GB de memória ocupa o mesmo espaço para qualquer atividade, seja para mineração ou para o uso comum de um PC.

O resultado disso, segundo os apoiadores da moeda, é que a mineração do Bitcoin Gold vai sempre estar acessível em computadores pessoais. Isso dá uma caraterística mais democrática para a moeda e reduz a influência das grandes empresas de mineração.

O Bitcoin Gold ainda é uma criptomoeda frágil

A democratização trazida pelo Bitcoin Gold atraí muita gente. Porém, a moeda enfrenta bastante ceticismo dentro da comunidade.

Os críticos da moeda são contra a maneira não ortodoxa em que ela foi lançada. Após o lançamento desta fork, a equipe do Bitcoin Gold operou a rede de forma privada, permitindo que eles pudessem minerar um monte de “ouro” sem competição nenhuma. Segundo os críticos, isso deixou muito menos Bitcoins Gold para a mineração do público.

Mas a equipe da moeda insiste que o projeto fará bem para o Bitcoin a longo prazo. Eles também afirmam que a ideia principal é provar a viabilidade do Equihash como uma forma alternativa de proof-of-work e eventualmente convencendo o Bitcoin tradicional a adotar o mesmo algoritmo.

Porém, esta é uma corrida contra o vento considerando os milhões de dólares que as empresas mineradoras já investiram no hardware e no hashing atual.

Outro ponto de desinteresse do Bitcoin Gold está no fato de que ele vale muito menos do que a moeda tradicional ou do que o próprio Bitcoin Cash. A moeda está valendo em torno de U$250, já o Bitcoin Cash está por volta de U$ 1.4000 e o Bitcoin em assustadores 16 mil dólares.

Atualmente, existem 16 milhões de Bitcoins em circulação. A criação do Bitcoin Gold criou mais 4 bilhões de dólares em criptomoeda. Pelo menos no papel.

Gostou desse post? Siga nossas redes sociais:
Ebook para iniciantes em Bitcoin
Tags: , ,

Busca

Gostou? Segue aí!

Facebook
Twitter
LinkedIn
Follow by Email
Google+
https://atlasproj.com/blog/bitcoin-gold-o-que-e/">
logo_rodape

ENTRE EM CONTATO

Copyright 2017 Atlas Project. All rights reserved.