Investimentos, vale a pena investir em bitcoin, bitcoin, investimento, investir

Investimentos em Bitcoin: Vale a Pena?

27 de novembro de 2017 Escrito por Bitcoin, Investimentos 0 comentarios em “Investimentos em Bitcoin: Vale a Pena?”
Conheça o Quantum!

Investimentos constituem uma parte fundamental da nossa vida financeira. É por meio deles que conquistamos todos os nossos objetivos, como a aposentadoria, a independência financeira ou, simplesmente, uma viagem no fim do ano. Mas e se perguntassem a você se vale realizar investimentos em Bitcoin? O que responderia?

Dentre as várias opções existentes no mercado para se investir, o Bitcoin é de longe a que mais se destaca em termos de rentabilidade. Enquanto poucos fundos conseguem entregar mais de 1% ao mês, em épocas boas, a moeda digital segue se valorizando, de forma escalar, com o passar do tempo.

Mesmo com toda volatilidade econômica do país, o Bitcoin já se consolidou no setor financeiro. Ele chega a apresentar uma rentabilidade 30 vezes maior que os fundos de renda fixa. Tal crescimento levou a entrada de muitas pessoas nesse mercado, sendo que grande parte delas ainda não possuem um conhecimento básico sobre a moeda.

Consequentemente, isso levou muitos a pensarem que tais altas no preço seriam eternas e — pior — livres de riscos. Entretanto, investimentos não vivem apenas no terreno das flores. Os espinhos também estão incluídos pacote.

Com certeza vale a pena investir em Bitcoin, mas é necessário reconhecer que há pontos que merecem atenção nessa prática e que, talvez, o investidor possa perder dinheiro. Por isso, trazemos, neste post, as principais vantagens, riscos, como investir da melhor maneira e o que é realmente essa moeda.

O que é o Bitcoin?

Bitcoin nada mais é que uma moeda digital, conhecida também como criptomoeda. Criada em 2010, ela surgiu com a proposta de promover um novo meio de pagamento, totalmente descentralizado e digital. As transações são efetuadas e certificadas por seus próprios usuários, ou seja, chega de taxas dos intermediadores — bandeiras de cartões, bancos, por exemplo.

Essas transações são realizadas por meio do envio de moedas de uma pessoa para a outra, de forma digitalizada, pela internet. Outros computadores são responsáveis por tratarem essas transferências, com um processo conhecido como mineração.

Logo, os custos de envio são menores. É válido lembrar que o Bitcoin já pode ser utilizado como forma de pagamento em diversos países. Os objetivos principais da moeda é tornar mais rápido, mais seguro e facilitar as transações virtuais.

Os métodos mais comuns para comprar são pelo intermédio de corretoras de Bitcoin ou comprar diretamente de outra pessoa. Há ainda um terceiro método, mas não tão comum, no qual é possível adquiri-lo com a venda de serviços e/ou produtos.

Como comprar Bitcoins em corretoras

Para comprar criptomoedas, você precisa abrir uma conta em uma corretora de Bitcoin. Antes de realizar a transação, é importante ficar de olho nessa moeda, pois, apesar de sua crescente popularidade o seu mercado é bastante recente.

Se você já procurou imóveis, tanto para alugar quanto para comprar, deve saber como funciona uma corretora. Sendo assim, basta pensar que as corretoras de Bitcoin funcionam da mesma forma.

No entanto, essas instituições não possuem Bitcoins, mas atuam como intermediadoras entre os compradores e vendedores. Elas são responsáveis por otimizarem os processos de busca dos interessados.

Antes que você pense que as corretoras servem somente para servir de intermediárias, adiantamos que elas fazem muito mais que isso. De certo modo, essa é uma das principais funções, mas existem muitas outras que as tornam essenciais. Veja algumas delas, a seguir.

Livro de ofertas

Como em todas as corretoras de valores, nas corretoras de Bitcoin, temos a presença de um livro de ofertas, onde você pode ver todas as ordens de compra e venda.

Para quem trabalha com trading, essa ferramenta é essencial, pois o usuário pode observar tudo que acontece em tempo real, tomando, assim, a decisão de qual oferta ou venda fazer.

Ordens de compra e venda

Se você não possui muito tempo para ficar acompanhando todo o livro de ofertas, as corretoras de Bitcoin também disponibilizam uma ferramenta bastante importante: as ordens de compra e de venda. Ela possibilita que você faça compras ou vendas de criptomoedas quando os valores atingem cotações oportunas.

É muito simples fazer o uso desse recurso. Basta ir na área da sua corretora para efetuar as ordens, estabelecer um valor que esteja de acordo com o que você deseja, colocar o número de moedas que você quer comprar ou vender e dar a ordem. Então, é só aguardar a operação ser concluída.

Segurança

Você pode fazer muitas transações, de valores altos ou baixos. Sendo assim, há a necessidade ter um controle maior sobre elas.

Para que risco de existir operações fraudadas seja eliminado, transações de altos valores ou uma grande quantidade de transações diárias passam a ser verificadas e autenticadas.

Vantagens de usar uma corretora de Bitcoin

Hoje, ao utilizar uma corretora de Bitcoin, você pode comprar e vender pela internet, o que torna esse investimento mais prático. Normalmente, essas organizações possuem uma página ou aplicativo com todas as funções de trading para os seus usuários.

Com essas ferramentas, é bem prático gerar ordens comerciais e observar as variações de valores de quem vende e quem compra, facilitando, assim, a sua escolha.

Os ambientes de transações dentro das corretoras são bastante sérios. Erros não são permitidos, pois podem gerar perdas para os investidores. Os sistemas são de alto rigor quanto à segurança, principalmente para proteger os seus dados e transações — toda ação dentro das corretoras exige diversas autenticações para acesso, que são verificadas constantemente.

Nem todos os usuários possuem conhecimento o bastante para acompanhar as tendências, de alta ou de baixa. As corretoras podem prestar assessoria para seus clientes, mostrando indicadores e notícias que antecipam as cotações.

Comprar em uma bolsa de criptomoedas, geralmente, envolve 4 passos:

1. criar uma conta pessoal na corretora;

2. depositar em sua conta na exchange a quantidade de reais que você deseja comprar em Bitcoin. Os depósitos podem ser efetuados de diferentes maneiras, dependendo do seu banco e da corretora escolhida. O mais comum no Brasil é por meio de transferência bancária.

3. trocar os seus reais por Bitcoins pela cotação do momento.

4. após ter adquirido as moedas virtuais, retire-as da corretora e envie-as para alguma carteira digital de Bitcoin ou uma plataforma de investimentos em Bitcoin, as quais geram rendimentos diários em cima da sua aplicação.

Cada exchange possui instruções específicas sobre como realizar o cadastro e a compra. Lembre-se de que elas podem cobrar taxas para as suas operações, como depósito de reais, compra e venda de moedas e saques em reais e Bitcoins.

Como comprar Bitcoins diretamente de outra pessoa

A maneira mais fácil de comprar Bitcoin de uma forma pessoal, sem depender de uma exchange, é entrando em contato com algum amigo ou conhecido de confiança que já possua a moeda e oferecer dinheiro em troca de uma transferência para a sua carteira digital ou para o seu endereço de depósito no Quantum.

Como comprar com a venda de serviços e/ou produtos

Esse é um processo menos comum. Contudo, existem diversas ferramentas que o possibilitam de uma forma cada vez mais fácil.

No Brasil, conseguimos utilizar a PagCoin, BitPagos, BitPay, que são as mais tradicionais — elas permitem que as pessoas ou lojas aceitem Bitcoins. Cada plataforma explica o seu modo particular de utilização. Genericamente, você poderá escolher receber em real, depositado na sua conta, ou Bitcoin, direto na sua wallet, caso já possua.

Quais são as vantagens da criptomoeda?

Confira, a seguir, as principais vantagens de utilizar o dinheiro virtual.

Meio de troca internacional

O Bitcoin é uma moeda que, embora ainda seja pouco aceita, é altamente conversível. Seja em dólares, seja em euros ou outra moeda, é relativamente fácil converter esse recurso virtual para qualquer moeda mundial. Basta encontrar um caixa eletrônico ou alguém que aceite fazer essa conversão.

Em longo prazo, ele tende a ser uma grande alternativa ao dólar em termos de aceitação mundial.

Transferências rápidas e a baixo custo

Quem já teve que comprar dólares ou euros para viagem ou teve que realizar alguma transferência internacional sabe que as taxas são muitos altas — podendo chegar a até 20% do total da transação. Isso inviabiliza, totalmente, a operação para pequenos valores, sem contar que ela pode demorar bastante para ser concluída.

Com o Bitcoin, as taxas são mais baixas independentemente do valor. Além disso, a transação demora, no máximo, algumas horas para ser processada na rede do blockchain.

Tecnologia robusta

Embora se fale bastante sobre Bitcoin, a real inovação está em sua rede: o blockchain. Trata-se de uma rede de registros públicos, imutáveis e, até hoje, invioláveis. O blockchain já é a rede com maior poder computacional em todo o mundo.

Essa robustez fornece integridade, confiabilidade e segurança para todos os usuários do Bitcoin.

Adoção exponencial

Cada vez mais empresas começam a estudar a aceitação do Bitcoin como meio de pagamento, especialmente em negócios online. Além disso, gigantes como Amazon, Microsoft e grandes bancos também estudam usos para o blockchain.

Tais ações aumentam a demanda pelo Bitcoin, fazendo que com ele passe a ser mais procurado  e, consequentemente, o seu preço e a sua utilidade aumentem.

Quais são as desvantagens do Bitcoin?

Acompanhe, na sequência, quais são as desvantagens da criptomoeda.

Possibilidade de surgimento de uma moeda melhor

Empresas e tecnologias melhores que outras sempre surgem nos mercados. O Bitcoin não está livre desse risco. Embora pareça pouco provável, o risco de surgir uma moeda melhor deve ser considerado.

Queda na cotação

O Bitcoin ainda é um ativo extremamente volátil, sujeito a quedas e altas frequentes. É preciso estar ciente que perdas de até 20% podem acontecer em momentos de grande instabilidade da moeda.

Risco regulatório

Nos últimos meses, o tema de regulamentação das moedas digitais ganhou mais força. O Japão já seguiu nessa direção, enquanto países como Rússia e Índia ainda estudam a possibilidade. O próprio Brasil já teve, pelo menos, duas audiências públicas recentes, onde a regulamentação do Bitcoin foi discutida.

O risco aqui vem de uma regulamentação que seja muito onerosa para as exchanges. Isso poderia aumentar o preço de aquisição da moeda em virtude de um aumento de taxas, por exemplo. Também há o risco de proibição total, como fizeram a Bolívia e a Islândia.

Segurança no armazenamento

Com o surgimento do Bitcoin, as pessoas passaram a ter novamente um ativo que pode ser custodiado por elas mesmas, sem a necessidade de um banco ou corretora. Contudo, esse benefício traz o ônus da segurança.

É necessário escolher uma boa carteira e manter muito bem guardadas as chaves privadas e senhas, de preferência com mais de uma cópia de segurança de cada uma. Caso contrário, o usuário pode ficar sem ter como gastar os seus investimentos.

Afinal, vale a pena apostar nessa moeda?

A moeda digital é um ativo que veio para ficar. Sua presença já não pode ser mais ignorada e os investimentos em Bitcoin, atualmente, podem ser considerados mais seguros, mesmo sendo de altíssimo risco, já que a moeda se consolidou no mercado.

A utilização da criptomoeda como forma de pagamento vai explodir em 2018. O Japão foi o primeiro a adotar a moeda como forma de pagamento e hoje conta com cerca de 260 mil estabelecimentos que a aceitam. Outro rumor é que a gigante Amazon poderá passar a aceitar o dinheiro virtual como forma de pagamento também a partir de 2018.

Se você já possui ou pretende adquirir Bitcoins, é importante saber que, no ano de 2017, a Receita Federal incluiu a moeda digital nas instruções da declaração anual do Imposto de Renda (IRF).

Mesmo não considerando o valor das moedas de forma oficial, o fisco determinou que ele deve ser descrito como qualquer outro ativo financeiro. Dentro da declaração, a forma oficial de se tratar as moedas digitais é em “outros bens e direitos”. Mas atenção: só é permitido declarar “outros bens e direitos” em relação ao Bitcoin para quem possui entre R$ 1 mil e R$ 35 mil. Para valores superiores a esses, 15% sobre o ganho deve ser recolhido.

Tomados os devidos cuidados, o investidor — pequeno ou grande — considere alocar uma parte do seu patrimônio em Bitcoin. Trata-se de um recurso com alto potencial de crescimento, mesmo levando em conta o preço atual. Ao aplicar as dicas apresentadas neste texto, o investidor terá enormes chances de ver seu patrimônio crescer no longo prazo.

Gostou do nosso post sobre investimentos em Bitcoin? Então, siga nossa página no Facebook para se manter informado e acompanhar todas as nossas atualizações sobre o assunto!

Gostou desse post? Siga nossas redes sociais:
Conheça o Quantum!
Tags: ,

Busca

Gostou? Segue aí!

Facebook
Twitter
LinkedIn
Follow by Email
Google+
https://atlasproj.com/blog/investimentos-em-bitcoin/">
logo_rodape

ENTRE EM CONTATO

Copyright 2017 Atlas Project. All rights reserved.