o que é bitcoin, tudo que você precisa saber, bitcoin, btc,

O que é bitcoin? Tudo o que você precisa saber!

11 de janeiro de 2018 Escrito por Bitcoin, Blockchain, Carteiras, Dicas, Investimentos, Mineração, Reportagens, Tecnologia 0 comentarios em “O que é bitcoin? Tudo o que você precisa saber!”
Conheça o Quantum!

Você está em busca de uma oportunidade interessante, rentável e moderna para aplicar seu dinheiro? Então provavelmente já ouviu falar sobre Bitcoins e sua rápida valorização, algo que tem chamado a atenção de muitos investidores no mundo inteiro. Mas você sabe o que é Bitcoin?

Por se tratar de uma modalidade de investimento muito recente, porém, é comum que as pessoas tenham algumas dúvidas básicas sobre o assunto, como o que é Bitcoin, quais são os riscos de apostar nessa modalidade e como ela é regularizada no Brasil. Afinal de contas, para garantir a valorização do seu patrimônio é muito importante saber para onde vai o seu dinheiro, certo?

Foi pensando em esclarecer essas e outras dúvidas comuns que bolamos este guia completo. A seguir, você vai entender em detalhes o que é o Bitcoin, como ele funciona, como a segurança desse investimento é garantida e quais são as vantagens de apostar na moeda virtual. Continue a leitura e torne-se um expert no assunto!

1. O que é Bitcoin?

Trata-se de uma moeda digital ou unidade monetária, também conhecida como criptomoeda. Ela funciona por meio de uma criptografia, ou seja, um conjunto de técnicas que protegem uma informação para garantir que ela só seja decifrada por quem conhece o código, garantindo a segurança do Bitcoin.

No entanto, a moeda digital tem o código aberto. Isso significa que o acesso é livre para qualquer pessoa, sendo esta uma moeda gerenciada pelos próprios usuários e sem a necessidade de nenhum intermediador, como o Banco Central ou mesmo as empresas de cartão. Para simplificar o conceito, podemos dizer o que é Bitcoin: um novo meio de pagamento utilizado em transações online. Essa tecnologia permite a realização de pagamentos eletrônicos com a mesma eficiência daqueles feitos com as cédulas usadas no mundo físico.

Pagamentos com Bitcoins são rápidos, baratos e sem limite mínimo ou máximo de valor. Como as transações são feitas entre os próprios usuários, uma pessoa pode passar o Bitcoin diretamente para a outra sem a necessidade de um banco — como ocorre com o dinheiro comum —, os seus custos são menores e você poderá usá-la em qualquer país sem nenhum pré-requisito. Essas, sem dúvida, são as maiores vantagens do Bitcoin.

2. Como isso funciona?

Na prática, o Bitcoin é um sistema de comunicação, ou seja, um protocolo — como é denominado na ciência da computação — que funciona por meio da internet. Este protocolo é descentralizado ponto a ponto, sem a necessidade de um servidor central, podendo ser acessado de qualquer equipamento — celular, computador ou tablet — e de qualquer local, independentemente do país em que esteja hospedado. Os protocolos atuam como uma linguagem universal, possibilitando que diferentes dispositivos consigam se comunicar por meio da internet para realizar diversas tarefas específicas.

Sendo um protocolo ponto a ponto (peer-to-peer, ou p2p), ele não pode ser desligado pelas autoridades — da mesma forma que não existe uma empresa responsável pelo seu e-mail, por exemplo, também não existe um responsável pelo Bitcoin. Por isso, é praticamente impossível interromper o seu funcionamento, já que não existe nenhum servidor central para desativá-lo.

Os protocolos utilizados para que você possa acessar páginas da internet ou enviar e-mails funcionam através da troca de informações entre o cliente e o servidor. Por exemplo, quando você acessa um site, está se comunicando com um servidor que armazena os dados e os envia para seu computador por meio do protocolo. Entretanto, no caso do p2p, não existe uma distinção entre o cliente e o servidor. Esse é um aspecto interessante pois os usuários deste sistema são ao mesmo tempo os clientes e os próprios servidores, não havendo nenhum outro intermediário.

Um bom exemplo de protocolo p2p é o Bittorrent, programa usado principalmente para o compartilhamento de arquivos de filmes, séries e músicas. A ideia é que o arquivo que se encontra armazenado no seu computador possa ser baixado por qualquer usuário por meio do download de um protocolo, da mesma forma que você pode baixar os arquivos disponibilizados por eles. Os detentores de direitos autorais das músicas e filmes não tem como impedir o funcionamento deste protocolo, por mais que o denunciem junto às autoridades.

Voltando ao Bitcoin, cada criptomoeda possui um valor de mercado por negociação. Existem corretoras virtuais que criam contas para armazenamento de Bitcoins, e algumas funcionam de forma similar à Bolsa de Valores — ou seja, é como se você estivesse investindo no mercado de ações. Por meio dessas contas — também conhecidas como wallets ou carteiras —, é possível guardar os Bitcoins em seu próprio computador ou celular.

Para permitir o uso das suas moedas digitais, é gerada uma assinatura digital, ou um código específico que é verificado por uma mineradora. Falaremos em detalhes sobre as mineradoras mais adiante, mas por enquanto basta saber que trata-se de um processo de contabilização dos registros de transações efetuadas com Bitcoins. Após alguns minutos, a transação será aprovada e incorporada na chamada Blockchain, que consiste em um banco de dados que armazena o registro de todas as operações realizadas. Por fim, a Blockchain comprova que a transação foi realizada.

Essa é a tecnologia base das moedas digitais, responsável por permitir que as transação financeiras se concretizem, de maneira segura e confiável, sem que seja necessária a intermediação de nenhuma instituição. A seguir, falaremos sobre o surgimento da moeda digital e mostraremos como investir nessa modalidade.

3. Quando os Bitcoins surgiram?

O Bitcoin surgiu em 2008, quando Satoshi Nakamoto, um pseudônimo do seu criador — ou criadores — publicou um PDF explicando o conceito da moeda digital. Seu objetivo era criar uma moeda alternativa que não dependesse da regulação de instituições financeiras, podendo ser operada pelos próprios usuários. O que ninguém sabe, porém, é a verdadeira identidade de quem está por trás do Bitcoin. A rede Bitcoin é baseada em princípios matemáticos e de criptografia, o que garante total segurança ao sistema. Esse foi um projeto que revolucionou a forma de gerenciamento de recursos, tornando-se um marco da computação para a economia moderna.

De forma resumida, o Bitcoin é uma cédula virtual feita de códigos. Ela pode ser trocada por praticamente qualquer produto ou serviço nas negociações feitas pela internet: trata-se do mesmo princípio do mundo físico, onde trocamos trabalho por dinheiro e dinheiro por produtos e serviços. Na internet, porém, você pode realizar pequenas tarefas em sites e juntar fragmentos da moeda, que poderão ser guardados em uma carteira virtual. Vamos explicar a seguir como funciona esse processo:

4. Como eles são armazenados?

Como você viu, os Bitcoins não são moedas físicas, e por isso não é possível armazená-las em um banco, por exemplo. A criptomoeda só existe porque a rede concorda que existe, e você só poderá possuí-las se registrar a posse na base de dados Blockchain.

A base de dados possui a informação de todos os endereços que possuem os Bitcoins, sendo identificada e mantida por todos os computadores na rede. Por isso, a única comprovação de sua propriedade são os registros realizados, e a única forma de ter acesso a eles é com uma chave de acesso. Vale lembrar que, se você esquecê-la por algum motivo, jamais poderá recuperar suas moedas.

Uma vez que a sua negociação foi validada pelos mineradores, você pode acessar suas informações e conferir sua validade. Esse processo ocorre de forma transparente, pois, como dissemos, trata-se de um código livre que pode ser acessado por qualquer pessoa.

A parte mais complexa de ter Bitcoins é, sem dúvidas, encontrar uma forma segura de armazenar suas moedas. Sites de negociação como o MtGox e a Bitfinex já foram hackeados, causando um grande prejuízo para os seus clientes e desestabilizando o mercado virtual. Para armazenar e controlar seus investimentos, portanto, o ideal é criar uma carteira de Bitcoin. Essa carteira é gerada através de um aplicativo armazenado em seu computador ou celular, mas também existem sites que fornecem carteiras virtuais. Assim, suas moedas ficarão armazenadas na carteira que você escolher e serão gerados arquivos com os registros.

Não é recomendado deixar suas moedas na plataforma de compra e venda (exchange): elas ficarão suscetíveis a ação de hackers e você correrá o risco de perdê-las. Opte por transferir seus Bitcoins para uma carteira privada, pois essa é a forma mais segura de armazenar suas moedas. As carteiras privadas são softwares baixados que rodam direto no seu computador, permitindo usar os Bitcoins em quantos sites você quiser. Em caso de compra de novos Bitcoins, eles também ficarão armazenados na carteira.

Fique atento aqui, pois os Bitcoins armazenados na sua carteira estarão sujeitos a mudanças diárias na cotação, funcionando como no mercado de ações. Isso significa que, se o valor de mercado aumentar, suas moedas passarão a valer mais; caso diminua, elas valerão menos.

5. Como o Bitcoin é minerado?

Chamamos de mineração de Bitcoins o processo de criação de novas criptomoedas. Toda a emissão de novos Bitcoins é feita por meio da mineração, que funciona como uma solução para um problema matemático.

Os mineradores são computadores que contam com um software específico capaz de gerar novas moedas ao resolver problemas matemáticos. Minerar Bitcoins nada mais é do que disponibilizar computadores para controlar a moeda digital, e esses computadores são remunerados pelas operações que realizam. Assim, o mecanismo garante a manutenção e o funcionamento da estrutura descentralizada do Bitcoin.

Também é responsabilidade dos mineradores verificar transações pendentes na rede de minuto em minuto, agrupando cada uma delas em um bloco da Blockchain que, por sua vez, se transforma em um algoritmo matemático. Esse algoritmo gerado é o problema a ser resolvido, o que geralmente é feito por computadores de alta performance.

Existe uma convenção para a solução dos algoritmos que considera especial a primeira transação de cada novo bloco, devendo ser realizada pelo minerador cujo computador consiga solucionar primeiro o referido algoritmo. Esse minerador vai receber um pagamento em Bitcoins pelo seu serviço, além de uma taxa para cada transação ocorrida dentro do algoritmo que ele solucionou. É como se o minerador assinasse digitalmente um número de transações que são referenciadas por meio da solução do algoritmo, recebendo por cada transação incluída dentro dele.

Esse é o incentivo principal para que vários usuários minerem Bitcoins. Cada vez que esses mineradores recebem uma quantia da criptomoeda, eles permitem que novas emissões de Bitcoins sejam realizadas sem a intervenção de uma autoridade monetária — como o Banco Central no Brasil, por exemplo. Paralelamente, o fato das transações serem processadas durante a mineração confere mais segurança ao sistema.

6. Qualquer pessoa pode minerar?

Depois de chegar até aqui, a grande pergunta que você deve estar se fazendo é: será que eu posso instalar um programa em meu computador e começar a minerar?

Na teoria, sim. Na prática, porém, os novos algoritmos criados vão se tornando cada vez mais difíceis, o que demanda computadores muito potentes e específicos, além de muita energia elétrica. Portanto, é bem possível que você gaste muito mais do que os seus ganhos como minerador poderiam compensar. Além disso, o sistema foi criado para aumentar a dificuldade da mineração de forma proporcional ao aumento do número de computadores realizando essa tarefa.

Por outro lado, algumas empresas mineradoras pagam pequenos valores diários por atividades prestadas a eles. Isso significa que você pode realizar determinadas tarefas e ser recompensado com pontos que, futuramente, podem ser convertidos em Bitcoins. Esta é, sem dúvidas, uma forma muito mais simples de conquistar Bitcoins se comparada à mineração.

Vale lembrar aqui que a China baniu a mineração do país, e futuramente também poderá proibir as negociações em exchanges. Mas não se assuste! Mesmo sendo um mercado grande, com energia e mão de obra barata para a mineração, alguns especialistas afirmam que esta é apenas uma tentativa chinesa de regulamentar o Bitcoin, mas que não se trata de algo poderoso o suficiente para causar a extinção da moeda. O Japão, por exemplo, acaba se beneficiando com esse movimento, uma vez que as regras para as negociações com a criptomoeda no país estão bem regulamentadas.

7. Como comprar e vender Bitcoins?

Os Bitcoins podem ser comprados, vendidos, usados como crédito, transferidos para outras pessoas e até mesmo negociados em casas de câmbio especializadas. Se você quer atuar nesse mercado, é preciso ter conhecimento sobre o assunto e buscar experiência para poder administrar a criptomoeda.

O primeiro passo para comprar Bitcoins é abrir uma conta em uma corretora especializada em moedas virtuais. Como vimos anteriormente, você também pode ganhar fragmentos da moeda trabalhando para sites que pagam pelo acesso. Vamos entender melhor como funciona esse processo?

Por se tratar de uma moeda digital, as operações de compra e venda de Bitcoins também ocorrem via internet. Essas transações são realizadas por meio de plataformas especializadas, as exchanges. Em uma exchange, você abre uma espécie de conta corrente, transfere uma quantia em dinheiro e faz a compra da moeda ou de frações dela a partir de R$ 50 reais. Também é possível participar do leilão de Bitcoins, onde os clientes compram e vendem moedas para outros usuários.

Para abrir uma conta e realizar as transações, você precisará de um cadastro em algum site de compra e venda, além de um computador ou celular conectado à internet. O funcionamento das plataformas, como já vimos, é muito semelhante ao de um home broker: a cada nova transação a exchange cobra uma taxa, que é semelhante aos valores pagos pela corretagem às corretoras de valores.

É importante ressaltar que, após realizar as transações, você deverá transferir o dinheiro de volta para sua carteira privada, já que não existe proteção desse patrimônio nas exchanges. Se ela falir ou for hackeada, seu dinheiro desaparecerá.

8. Qual é a tecnologia usada no Bitcoin?

A tecnologia utilizada no Bitcoin é basicamente a tecnologia Blockchain. Ela funciona por meio do agrupamento de transações em sequências de blocos, que são validados em diversos computadores mineradores. Essas máquinas, por sua vez, resolvem algorítimos matemáticos para cada novo bloco criado, recebendo incentivos para isso.

O mais importante aqui é ressaltar que a tecnologia Blockchain não permite que uma só pessoa controle todas as informações. Além disso, esses dados estão disponíveis de maneira transparente a todos os usuários, bastando acessar https://blockchain.info/. Lá, você pode clicar em um bloco e ver todas as transações que foram realizadas nele.

As transações não podem ser alteradas porque estão diretamente conectadas às transações feitas antes delas — é daí que vem a origem do nome: “block” significa bloco e “chain” significa corrente. Isso garante que os registros não possam ser apagados e que sejam mantidos em ordem cronológica. Isso também significa que, caso você faça uma transação, também não é possível desfazê-la e receber o dinheiro de volta, pois não existem intermediários para sustar a operação. Nesse caso, você poderá contar apenas com a boa vontade da pessoa com quem fez o negócio, a única que poderá realizar uma nova transação e devolver o dinheiro.

Fazendo uma comparação simples, as transações da Blockchain funcionam de forma parecida ao envio de um e-mail para um grupo de amigos. Mesmo se houver algo errado na mensagem, não é possível cancelar o envio: a única forma de reverter a situação é pedindo para que cada amigo da lista delete o e-mail, o que ainda assim não impede que ele seja lido antes.

Outra informação que deve ser entendida é o anonimato e a transparência das operações. Apesar de todas as transações que passam pelo seu computador deixarem uma espécie de marca no seu endereço de IP — o endereço de localização de seu computador —, não há como saber a quem pertencem essas marcas. Dessa forma, o anonimato das transações é garantido.

Por outro lado, é possível acessar o histórico de todas as transações ocorridas por blocos, o que garante a transparência de todo o processo. Ou seja, todas as transações são bastante claras, mas não é possível saber quem as realizou.

9. Como é garantida a segurança do Bitcoin?

Não entendeu como é possível ter certeza da segurança do Bitcoin, já que ele não existe fisicamente e é um sistema descentralizado? Nós explicamos!

Por mais contraditório que pareça à primeira vista, também é o Blockchain que garante a segurança das operações. Como você viu no tópico acima, cada bloco tem um código matemático complexo que precisa de uma validação, e esta é feita por diversos mineradores que estão tentando resolver o algoritmo. A cada nova transação, ele recebe um novo código que é adicionado ao anterior, tornando a falsificação praticamente impossível.

É dessa maneira que o sistema garante a segurança e a integridade da criptomoeda, blindando-a contra hackers. Para um hacker conseguir roubar um único Bitcoin, ele vai precisar entrar em todos os computadores da rede de maneira simultânea.

Agora que você conhece o sistema, entendeu como funciona a segurança das transações na rede e até mesmo onde você pode negociar, é hora de saber um pouco mais sobre a valorização do Bitcoin para definir se vale a pena aplicar o seu salário na moeda.

Sabemos que houve uma hipervalorização no preço das moedas de 2009 até os dias atuais. Hoje, uma única moedinha está valendo R$ 60.900,00, de acordo com a plataforma Quantum do Atlas Project, e a tendência é que elas continuem valorizando cada vez mais.

10. Entendendo as tendências do Bitcoin

Em primeiro lugar, o código foi desenvolvido de forma a permitir que apenas 21 milhões de moedas fossem produzidas. Até hoje, mais de 16 milhões de moedas já foram mineradas, o que significa que, a cada ano, fica mais difícil produzir Bitcoins. Logo, a tendência é que a moeda valorize ainda mais, tornando este um ótimo negócio.

Como você pode comprar praticamente qualquer coisa com um Bitcoin — um hambúrguer, um carro, uma casa, pagar um boleto, etc —, o Bitcoin é uma moeda com uma ótima liquidez e aceita no mundo inteiro. Também é possível ganhar alguns fragmentos da moeda realizando tarefas para sites que trabalham com a mineração. Agora, cabe a você começar a juntar seu investimento em uma carteira privada para ver o seu dinheiro render!

Gostou de entender o que é Bitcoin e quer continuar por dentro de outras novidades para aumentar seu patrimônio? Assine a nossa newsletter e receba todas as atualizações do blog diretamente no seu e-mail: é gratuito!

Gostou desse post? Siga nossas redes sociais:
Conheça o Quantum!
Tags: ,

Busca

Gostou? Segue aí!

Facebook
Twitter
LinkedIn
Follow by Email
Google+
https://atlasproj.com/blog/o-que-e-bitcoin/">
logo_rodape

ENTRE EM CONTATO

Copyright 2017 Atlas Project. All rights reserved.